MULHERES A BEIRA DE UM ATAQUE DE NERVOS – e que precisam aprender a ser mansas



MULHERES A BEIRA DE UM ATAQUE DE NERVOS – e que precisam aprender a ser mansas

Bater a porta depois de uma discussão com o marido ou atirar objetos no chão, gritar descontroladamente por causa do filho que não te ouve da primeira e nem da segunda vez, rosnar feito um cão quando alguma coisa não está sendo feita do seu jeito, bufar de raiva quando as coisas não saem como o esperado, arrancar os cabelos por não conseguir cumprir prazos e horários, e praguejar no trânsito porque o motorista à frente não dirige da forma como você gostaria. Você já fez alguma dessas coisas na vida? Você costuma fazer alguma dessas coisas diariamente? Infelizmente pra mim isso é mais comum do que o que eu gostaria.

Cenas como essas estão cada vez mais comuns no nosso dia-a-dia. Podemos tentar transferir a responsabilidade e culpar o estresse da correria do dia, das multitarefas a nós delegadas. Podemos culpar os maridos - 'que são insensíveis e que não nos ajudam', podemos culpar os filhos - 'que são rebeldes e indisciplinados'. Podemos culpar o trânsito caótico, o relógio que corre depressa demais, o mundo que gira muito rápido, a gravidade que que deixa tudo muito pesado. Infelizmente, jogar a culpa em cima dos outros não alivia a nossa barra e nem nos ajuda a viver melhor. Uma saída mais inteligente é encarar a realidade de frente e examinar o nosso coração. O comportamento nervoso e explosivo e todos esses acessos de fúria só revelam um coração que precisa de ajuda.

Olhar pro coração pode nos mostrar que dentro de cada mulher irada e descontrolada está um coração profundamente tolo e precipitado, um coração insubmisso, um coração profundamente murmurador, um coração mal agradecido, um coração duvidoso, um coração vingativo, um coração controlador, um coração incrédulo, um coração precipitado.

Um coração tolo, porque muitas vezes fala antes de pensar, age antes de refletir. "Quem responde antes de ouvir, comete insensatez e passa vergonha" -Provérbios 18:13

Um coração precipitado que se destempera facilmente e perde o controle emocional. "Irai-vos, e não pequeis. Não deis lugar ao diabo" - Efésios 4:26,27

Um coração insubmisso, porque não se coloca humildemente e pacientemente na posição correta, seja com relação ao seu marido nas diferenças e tribulações decorrentes da vida cotidiana, seja com relação a Deus e à sua soberania. "Vós, mulheres, submetei-vos a vossos maridos, como ao Senhor" - Efésios 5:22

Um coração murmurador e mal agradecido, porque todo praguejar, em última instância, destina-se sempre a Deus, por ser Ele quem controla a nossas vidas e nos coloca em determinadas circunstâncias. Porque demonstra a nossa falta de capacidade espiritual para reconhecer a mão Deus e a sua bondade em todas as coisas e circunstâncias que nos cercam e a nossa falta de capacidade de dar graças em tudo. "Façam tudo sem queixas nem discussões" - Filipenses 2:14

Um coração duvidoso, porque demonstra a falta de confiança na bondade de Deus e em sua promessa de que tudo coopera para o nosso bem. "E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus" - Romanos 8:28

Um coração vingativo, porque não quer deixar a cargo de Deus a retribuição para aquilo que nos fazem de mal, mas antes procura devolver a injúria ou a ofensa de alguma forma que maltrate aqueles que nos magoaram, seja através de gritos ou de danos materiais. "Não vos vingueis a vós mesmos, amados, mas dai lugar à ira, porque está escrito: Minha é a vingança; eu recompensarei, diz o Senhor" - Romanos 12:19

Um coração controlador, porque não admite que as coisas ou as pessoas (as circunstâncias ou as ações) saiam minimamente de seu controle. "Mas qual de vós, por mais que se preocupe, pode acrescentar um só côvado à duração de sua vida? Se vós, pois, não podeis fazer nem as mínimas coisas, por que estais preocupados com as outras?" - Lucas 12:25,26

Um coração incrédulo, porque não confia na vontade soberana de Deus em sua vida, nem no seu cuidado, nem no seu amor. "Não vos inquieteis com o que haveis de comer ou beber; e não andeis com vãs preocupações" - Lucas 12:29

Um coração que precisa aprender a ser humilde. "Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo" - Filipenses 2:3

Cristo faz um convite a todas as mulheres à beira de um ataque de nervos, tolas, precipitadas, vingativas, murmuradoras, incrédulas, insubmissas, mal agradecidas: “aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração” Mateus 11:29.

Um bom antídoto para toda essa fúria que muitas de nós abrigam no coração e que sempre está à um passo de se exteriorizar é aprender sobre Jesus. Um breve passeio pelos evangelhos nos mostra tamanha mansidão e humildade de Cristo, o nosso modelo e nosso alvo. Ele sofreu todos os ultrajes e mesmo assim não se destemperou ou revidou com ultraje. A resposta branda e a palavra abençoadora e perdoadora sempre estiveram em sua boca.

Talvez o chamado do versículo de I Pe 3:4 para que as mulheres busquem um espírito manso e tranquilo nunca esteve tão urgente e atual quanto nos dias de hoje. Com muita sinceridade, se nos avaliarmos bem, poderemos dizer com franqueza que todas nós (ou a grande maioria) somos mulheres que vivem à beira de um ataque de nervos, em maior ou menor grau. Por outro lado, a Bíblia nos ensina que a beleza da mulher deve estar no "interior do coração, unido ao incorruptível trajo de um espírito manso e tranquilo, que é de grande valor diante de Deus” (I Pe 3:4).

A mansidão é o estado de espírito de alguém que tem controle e domínio sobre seu temperamento e atitudes, que tem calma, que é paciente, que tem domínio próprio. É serenidade, tranquilidade, brandura. É o oposto de agressividade, de agitação, de pressa, de inquietação, de ferocidade.

A mansidão faz parte do fruto do Espírito Santo (Gálatas 5:22) no coração daqueles que foram lavados e regenerados e por isso não pode ser opcional em nossa vida.

Abandonar um estilo de vida nervoso e estressado e viver mansamente não é algo fácil, mas é completamente possível uma vez que temos o próprio Espírito Santo habitando em nossos corações. E é através do processo de santificação que, dia após dia nos tornamos mais semelhantes a Cristo.

A Bíblia nos fala que os mansos são bem-aventurados (Mateus 5:5). Isso significa dizer que os mansos são felizes. A felicidade do manso é uma felicidade plena, porque não depende das circunstâncias aparentes ou terrenas e nem das pessoas. É uma felicidade que depende unicamente de Deus. É uma felicidade verdadeira, completa e que não pode acabar por estar fundamentada em Deus e no seu cuidado sempre terno, que nunca falha.

A mulher que abandona o estilo de vida ‘à beira de um ataque de nervos’ para um estilo de vida manso é uma mulher mais feliz. E ela é mais feliz porque pode suportar qualquer estresse, correria, pressão ou dificuldade da vida sem se exasperar, uma vez que confia no cuidado soberano e amoroso de Deus.

Um abraça de uma mulher que a cada dia busca a ajuda de Cristo para abandonar um estilo de vida estressado e, semelhante a Ele, viver mansamente.
Renata Veras

You Might Also Like

2 comentários

  1. Esse texto parece ter sido escrito pelo Espírito Santo e direcionado a mim rs
    Que Deus continue a abençoando!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deus seja louvado por isso! rs
      Abraço carinhoso,
      Renata Veras.

      Excluir

Popular Posts