Verdadeiramente bela, recatada e do lar


*este texto não se propõe a ser uma análise do discurso midiático e de suas intenções sociais e políticas. Este texto aproveita o burburinho em torno do mote 'bela, recatada e do lar' para promover uma reflexão a cerca da visão, do valor e do significado dessas virtudes nos dias de hoje e à luz das Escrituras

Verdadeiramente bela, recatada e do lar.

Uma nota no jornal e milhões de comentários inflamados. Qual o problema mesmo?

Quem diria que chegariam tempos em que precisaríamos defender a beleza, a decência e a família. Pois bem, eis que esses tempos chegaram!

Tempos de completa desestruturação de todo tipo de valor. As ‘belas-artes’ são um amontoado de formas grosseiras, desconexas e agressivas. Os valores são relativos. A família é (ou simplesmente não é) à gosto de cada um. Certamente os atributos dignos de exaltação pelos que professam ódio mortal pelos adjetivos ‘bela’, ‘recatada’ e ‘do lar’ sejam ‘feia’, ‘depravada’ e ‘anti-família’.

Sobre a pessoa que ensejou tamanho burburinho, nem saberia dizer se é realmente ‘bela, recatada e do lar’ (e isso é completamente irrelevante). O importante é entender o porquê de tamanha reação e, no final das contas, chegar à conclusão sobre que mal há e que virtude existe em cada uma dessas qualidades.

Que mal há em ser bela? Que mal há em ser recatada? Que mal há em ser do lar?
Procurei, mas não consegui encontrar nada negativo para escrever sobre essas três qualidades. Por outro lado, poderia facilmente escrever muitos e muitos parágrafos sobre os males infindáveis de ser ‘desagradável’, ‘despudorada’ e ‘anti-família’, mas creio que um pouco de bom senso do leitor é suficiente para preencher rapidamente essas lacunas.

Pobre geração de mulheres. Conseguiram convencê-las de que é bonito ser feio. De que é cool ser depravada. E de que essa história de família não passa de conversa fiada pra oprimir.

E esse é bem o discurso do movimento ‘pró-mulher’ mais anti-mulher da humanidade. Que ao fazer do ‘machismo’ o demônio de todas as mulheres, conseguiu convencê-las que não havia valor na delicadeza com a qual Deus a havia criado. O movimento que conseguiu convencer as mulheres de que liberdade e felicidade só seriam conseguidas através da completa libertinagem. O movimento que conseguiu convencer as mulheres de que a família era uma invenção que visava seu mal e de que a sua condição biológica (maternidade) era um grande empecilho para a sua plena realização e competição no mundo.

Jogaram a mulher contra ela mesma. Elas viraram suas maiores inimigas quando decidiram se expor, se entregar e se deixar usar indiscriminadamente. Viraram suas maiores inimigas quando negaram a si mesmas o acolhimento e a companhia de uma relação familiar saudável. Viraram suas maiores inimigas quando negaram a si mesmas o prazer e o vínculo da maternidade. Terminarão suas vidas usadas, mal-amadas e sozinhas.

E o que é ser bela?

Bela é o adjetivo da pessoa agradável, que desperta admiração ou prazer.

Ser bela é presentear o mundo com nossa existência e não tem nada a ver com ser oprimida pela ditadura da beleza (1,70 de altura, 60 kg, loira, olhos claros). Beleza vai além da aparência exterior. Essa é uma sabedoria já registrada nos ditados populares. A beleza tem a ver com um conjunto em que as qualidades de espírito influenciam diretamente sobre as qualidades físicas. Beleza vem de dentro e é a capacidade de ser agradável e de dar prazer aos que estão ao nosso redor através daquilo que somos – nossa personalidade.

As mulheres desistiram de ser belas e se contentaram em ser podres e desagradáveis versões femininas de sepulcros caiados cobertos por uma espessa camada de base translúcida da MAC e 300 baforadas de 212 Sexy. Desculpe-me, mas isso não é beleza.

O mundo precisa de mais mulheres belas de verdade. Pessoas (homens e mulheres) agradáveis, que despertam a admiração, que dão prazer em conviver. Ninguém em sã consciência se oporia a isso.

O que é ser recatada?

Recatada é o adjetivo da pessoa discreta, decente, modesta, reservada. É a qualidade de quem tem pureza, honestidade, pudor. Ser recatada é cuidar de si mesmo. É guardar-se, preservar-se. É valorizar sua dignidade, dignidade concedida por Deus ao criá-la à Sua imagem e semelhança.

Ao permitir ser usada e abusada indiscriminadamente em nome de uma liberdade fajuta, a mulher concedeu voluntariamente o direito de ser machucada, tratada indignamente, desvalorizada. Se a mulher soubesse o bem que faz a ela mesma ao se resguardar, jamais desprezaria o cuidado consigo mesma e a preservação da sua pureza.

O que é ser do lar?

Do lar é o adjetivo daquela cuja atividade é cuidar do bem-estar da família. É amar e dedicar-se prioritariamente ao que é mais propriamente seu – sangue do seu sangue, carne da sua carne. É valorizar o núcleo mais básico da sociedade e entender a função social de quem tem o cuidado de uma família nas suas mãos. É entender que o sucesso em qualquer outra atividade não compensa o fracasso dentro de casa. Que os sentimentos genuínos de alegria, amor e satisfação não podem ser substituídos por status, dinheiro, poder. E que colocar o lar como prioridade não significa ser intelectualmente limitada, emocionalmente dependente ou produtivamente desambicionada.

As futuras gerações são entregues à própria sorte à medida em que as mulheres negam sua importância no lar. Gerações terceirizadas, concebidas em laboratório, educadas por empresas, programadas por estranhos. Uma tragédia anunciada para a sociedade.

E o que a Bíblia diz?

Por ‘ironia do destino’, os adjetivos ‘bela’, ‘recatada’ e ‘do lar’ são exatamente os adjetivos recorrentes nas Escrituras quando se trata de feminilidade. Para longe de valores machistas, estes são valores Bíblicos.


"A beleza de vocês não deve estar nos enfeites exteriores, como cabelos trançados e joias de ouro ou roupas finas. Pelo contrário, esteja no ser interior, que não perece, beleza demonstrada num espírito dócil e tranquilo, o que é de grande valor para Deus."
1 Pedro 3:3,4


"Como anel de ouro em focinho de porco, assim é a mulher bonita, mas indiscreta."
Provérbios 11:22


"As mulheres mais jovens a amarem seus maridos e seus filhos, a serem prudentes e puras, a estarem ocupadas em casa, e a serem bondosas e sujeitas a seus próprios maridos, a fim de que a palavra de Deus não seja difamada."
Tito 2:4,5


E caso você faça parte do grupo que pensa que a Bíblia é um livro machista que visa e perpetua o mal contra as mulheres, convido-a a arrazoar com franqueza quais valores realmente beneficiam a mulher.

Beleza, recato e domesticidade não são valores opressores, limitadores e discriminatórios. Pelo contrário, são valores que visam o bem maior da mulher, que reconhecem seu valor e seu papel fundamental no seio sociedade.

Por mais mulheres belas, recatadas e do lar!
As mulheres precisam disso e a sociedade agradece

Deus me ajude a cada dia a ser um pouquinho mais de cada,
Renata Veras

You Might Also Like

56 comentários

  1. As postagens não são contra as mulheres que escolheram essa forma de vida. É contra gente que acha que só essas têm valor na sociedade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Creio que a questão seja a replicação disso. Existem mulheres que gostam ser ser "Amélias " e acredito que deveriam ter respeito de quem está generalizando discursos feministas pelas redes sociais. Isso também é uma forna de oprimir o diferente/a diferença. Prezo pelo respeito mútuo. Ser "do lar, gostar de ser recatada e ser bela" também são qualidades. Lamento como esses discursos que evidenciam uma rejeição ou hostilização às "Amélias" têm se propagado.

      Excluir
    2. Ninguém hostilizou em maneira nenhuma a "Amélia" Temer da reportagem. A hostilizada foi a revista por valorizar a figura da Amélia em detrimento de figuras de mulheres nao-amelias, como a entrevista recente da Presidenta.
      O feminismo nunca falou contra a "Amélia" mas a favor da Amélia e da Não Amélia. Para que todas as mulheres e homens tenham liberdade para serem o que quiser e serem valorizadas pelas suas características independente do sexo.
      Eu, sendo mulher e cristã, me sinto afrontada quando vejo publicações que citam a Bíblia e são contrárias à movimentos feministas sendo que o próprio Cristo sempre foi a favor da igualdade e da valorização da mulher.... Eh incrível como as pessoas e incluso os cristãos tem essa incrível mania de saber superficialmente sobre um assunto e já partir para a defesa de uma opinião. Entendam o movimento e depois critiquem. Entendam a Bíblia e depois a citem.

      Excluir
    3. Querido(a) anônimo(a). Tenho minhas limitações e padrões e um deles é de não me permitir falar de algo que eu não tenha pelo menos o mínimo de conhecimento.
      Estudo as Escrituras a muito tempo e há alguns anos me dedico à questão da feminilidade e, inevitalvelmente, sinto-me obrigada a ler e entender com propriedade o movimento feminista que tem influenciado de forma tão perniciosa a compreensão do ser mulher.
      Falar que o movimento é a favor de 'Amélias' é uma completa falta de conhecimento do mesmo. Basta ler algumas obras de Simone de Beauvoir e Betty Friedam pra entender a forma como o 'ser do lar' é execrado e inferiorizado. O Segundo Sexo, de Beauvoir e a Mística Feminina de Friedam deixam isso bem claro. E o que dizer dessas palavras de Beauvoir: “Enquanto a família, o mito da família, o mito da maternidade e o instinto maternal não forem destruídos, as mulheres continuarão a viver sob opressão …. Nenhuma mulher deveria ter autorização para ficar em casa e cuidar de crianças. A sociedade deveria ser totalmente diferente. As mulheres não deveriam ter essa opção precisamente porque se tal escolha existir, demasiadas mulheres a seguirão."
      Dizer que não há uma 'caça às donas de casa' é uma completa falta de conhecimento do movimento por sua parte.
      Por outro lado, tentar harmonizar uma filosofia que tem como objetivo destruir todos os valores judaico-cristãos da sociedade com o Ensino da Bíblia também demonstra uma completa falta de conhecimento das Escrituras.
      Conhecer bem os dois lados te levará a inevitável conclusão de que são INCOMPATÍVEIS.

      Convido você a continuar por aqui pra que possamos compartilhar conhecimentos e entender um pouco mais essas questões, pelo menos superficialmente.
      Abraço,
      Renata Veras

      Excluir
    4. "Anônimo21 de abril de 2016 06:47
      As postagens não são contra as mulheres que escolheram essa forma de vida. É contra gente que acha que só essas têm valor na sociedade."

      não, anonimo. as postagens são uma resposta histérica a uma matéria que fala sobre os atributos de uma mulher (apenas uma, a mulher do vice presidente) e em nenhum momento (a matéria) diz que esse deve ser o padrão para todas as mulheres. Quando o chilique viralizou deixou claro quais são os valores que os que o estão repassando defendem. apenas querem botar a mulher num molde alegando defender a liberdade delas. Por mais belas, recatadas e do lar em nosso mundo!!!

      Parabéns ao blog pela postagem!

      Excluir
    5. Com certeza tem mais valor que seus antônimos...

      Excluir
    6. Iniciamos um movimento em defesa dos valores, dos princípios, da dignidade, e como mulheres competentes não precisam ser vulgares para reafirmar sua condição de mulher. Sigam a hastag #geracaoproverbios31

      Segue a matéria que saiu em um dos maiores sites da Bahia:
      http://www.bocaonews.com.br/noticias/principal/brasil/142577,comunidade-feminina-evangalica-defende-tatulo-quotbela-recatada-e-do-larquot.html

      Excluir
  2. Que texto maravilhoso! Você soube se expressar muito bem. Deus abençoe.

    ResponderExcluir
  3. O problema aqui que vc não viu, não é em ser recatada, bela e do lar, mas os atributos dirigidos a "quem". Acho que ficaria bem melhor " bela, esperta e muito bem paga."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A mulher recatada pode sim ser esperta, basta querer.
      E ser "do lar", não significa q não pode trabalhar e ser muito bem paga. Ao contrario, é saber ser esperta o suficiente para dividir suas tarefas.

      Excluir
  4. Amei o texto, vc esta de parabéns!

    ResponderExcluir
  5. Texto de alto nível! Bem preciso e sólido. Entretanto acho que A grande questão desse viral não é: se é ruim ser bela, recata e do lar, a questão é: a padronização do que é certo ou errado uma mulher viver e ser. Pensando de forma cristã claro que esses atributos são valorizados. Porém a revista em questão não é direcionada,pelo contrário a maioria dos leitores não são cristãos (em padrões bíblicos) , para esse público. Com a forma que o título foi apresentado deixa-se entender que esse é o único padrão correto, superior aos outros e isso de fato é ditatorial.
    Concordo com uma resposta anterior de que essa campanha massiva contra as "Amelias" é tão ditatorial quanto a postura da revista. Também concordo em relação a opinião de que a mulher perdeu MUITO com essa nova forma de ser mulher (basicamente libertinagem pura). Só que dar o adjetivo de "feio" (como o título sugere) para essa campanha e essa maneira de viver creio eu que não ajudará essas mulheres a pensarem sobre o assunto. Talvez gere até mais ódio.
    Mais uma vez parabéns pelo texto e espero que ele ajude na reflexão da questão, como espero que minhas palavras também ajudem nas reflexões de todos nós

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Diego, agradeço pelo comentário.
      Entendo a questão do uso do 'feio'. A tirada foi mais 'cômica', replicando a frase do Tiririca que diz "Você acha que é bonito ser feio". Talvez para os leitores de Fortaleza (minha cidade) o trocadilho fique claro, mas para outros acabe por causar o mal estar que você citou.
      Agradeço novamente a colaboração.

      Excluir
  6. Complementando : ... essa campanha massiva contra as "Amélias" é tão ditatorial quanto a postura da revista E OS DEFENSORES DESSA IDEIA E PADRÃO SUPERIOR, CORRETO ETC ....

    ResponderExcluir
  7. Ser mãe pra mim é o meu culto diário a Deus.
    Danielle Lemos
    Igreja Luz do Mundo



    Deixei a natureza transformar-me com todas as suas leis. Tive o prazer de sentir um bebe no meu ventre. Aliás 3. Chorei na maternidade. Troquei fraldas, passei noites acordadas, desfrutei a sensação maravilhosa de amamentar. Ensinei a comer, ensinei a andar.

    Chorei no primeiro dia da escolinha. Talvez tenha deixado algumas pessoas de lado. Talvez não tivesse tempo para dar atenção para as amigas. Pode ser que relaxei um pouco com minha aparência. Ou quem sabe não tive nem tempo para pensar nisso. Pode ser que tenha deixado meus projetos pela metade ou quem sabe não consegui conciliar com meu horário familiar. Abandonei projetos pessoais e possíveis carreiras de sucesso.

    Segurei com as duas mãos tudo o que veio do céu e permiti a mão de Deus me tocar para ser uma verdadeira mãe. Talvez para o mundo eu seja alguém que não trabalha, meu serviço sagrado é chamado pejorativamente de Prendas do Lar mas o meu emprego é divino e o meu ganho é invisível, real e ressoa no sorriso e na segurança de meus 3 filhos: Pedro, Júlia e Lucas. Esse é o maior salário que uma mãe pode receber. Como disse o apóstolo João: “não tenho maior alegria do que essa: a de saber que meus filhos caminham na verdade.”

    Eu creio que a maternidade é um ministério, um serviço sagrado. Como ser pastor ou missionário. Filhos criados para a glória de Deus e não para a calamidade eterna. Filhos com sentido de vida, com firmeza de espírito, com vida abundante, com sorriso na alma, com paz com Deus. Esse é o meu preciosíssimo salário. Dinheiro que o mundo não me pagaria nem se eu trabalhasse 24 horas por dia. Salário que traz um aroma divino ao meu lar, faz com que meus 3 filhos corram sorridentes de um lado pro outro, que promove riqueza espiritual, que fortalece a sociedade e glorifica o nosso Deus.

    Ser mãe pra mim é o meu culto diário a Deus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que lindo, Danny!! Que o Senhor a abençoe! A bíblia diz "Portanto, quer comais, Quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus." 1 Co 10.31

      Excluir
  8. A Questão não é que seja feio ser bela, recatada e do lar, mas hoje em dia as mulheres reais vão muito além dessas três qualidades...hoje as mulheres trabalham, têm, muitas vezes, trilpla jornada, às vezes, sustentam sozinhas seus lares, são fortes, guerreiras e batalhadoras...então na minha opinião o perfil de mulher prefeita vai muito, mas muito além...que ser só bela, recatada e do lar!

    ResponderExcluir
  9. Respostas
    1. Hahaha Adorei o comentario!
      Gentileza sua, Victória.
      Um abraço,
      Renata Veras

      Excluir
  10. Absolutamente nada contra ser bela, recatada e do lar, mas o enfoque que a Revista Veja deu. Como se toda mulher para ser valorosa devesse ser assim.

    ResponderExcluir
  11. Renata, pura inspiração divina pra de forma tão clara expor a nossa fé. Amei o texto. Copiei e colei no meu Face dando os créditos a você. Quis ter certeza que conseguiria atingir muita gente, já que nem todos abrem links no Face. Por mais mulheres de Deus e por mais de Deus nas mulheres! Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Vitória!
      Só a graça de Deus.
      Abraço

      Excluir
  12. Na verdade as recentes postagens não são sobre a escolha de ser bela, recatada e do lar até por que toda mulher é livre para ser como quiser... talvez você tenha entendido errado. Na verdade o assunto é sobre toda mulher ter o direito de ser quem ela quiser... aonde quiser!!!

    ResponderExcluir
  13. As pessoas estão levando essa história por outro lado. Mas tudo isso não passa de uma crítica à revista veja sobre a matéria da esposa do então Vice-presidente Temer, afim de promove-lo. Tal matéria dizia que por essa moça ser do lar e usar roupas abaixo do joelho a tornara uma mulher perfeita e por consequência Temer seria um "homem de sorte". Mas se a mulher estuda, se tem um profissão, se é independente, ela também não pode ser perfeita ? Por anos as mulheres foram taxadas como apenas donas de casa e portanto não havia espaço para ela se não fosse esse. E não havia escolha. Hoje é diferente, a mulher pode ser o que quiser. E ser do lar não é vergonha, pois adimiro muito minha mãe e minha vó. Não é inversão de valores, é reconhecimento de que a mulher pode e vai fazer o que lhe convém, podendo ocupar qualquer lugar e ser adimirada e "perfeita" independente de sua posição social. E que fique claro, todo esse movimento é uma crítica à revista Veja que usou uma mulher para promoção do seu esposo "sortudo".

    ResponderExcluir
  14. Triste ler comentários de mulheres cristãs dizendo que: "a mulher tem que ser aquilo que quer ser". Até onde aprendi na minha caminhada cristã, a mulher cristã (bem como o homem) precisa desejar ardentemente ser aquilo que Deus deseja que ela seja. E a Bíblia é clara em muitos desses anseios, valores e aspectos. Deus tenha misericórdia de nós!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso, Kézya!
      Mas esse tipo pensamento é o tipo de coisa que só o Espírito Santo pode mudar. Oremos!

      Excluir
    2. Kézya! Faço das suas, minhas palavras. O padrão divino continua e será para sempre o marco. Doa a quem doer!

      Excluir
    3. Kézya! Faço das suas, minhas palavras. O padrão divino continua e será para sempre o marco. Doa a quem doer! Aleluia.

      Excluir
  15. Boa tarde a todos.

    Já ficou claro pelos comentários acima sobre a real intenção da campanha em relação a revista e não aos valores expostos por ela. Também já foi citado (e muito) obras e citações de Simone de Bevouir inclusive enfatizando o fato dela ser contra a família. Peço desculpas, mas é apenas uma visão das tantas outras que temos por aí, cito aqui alguns exemplos que podem servir de pesquisa: Naomi Wolf, Maria da Penha e Angela Carter. Da mesma forma como o 'livro sagrado' possui vários livros/cartas/crônicas/parábolas de várias pessoas diferentes com perspectivas de vida diferentes assim levam os diferentes assuntos discutidos pelo mundo afora, como o feminismo.

    Julgar que toda a feminista ou todo ícone do movimento é contra 'os valores da família tradicional' é simplesmente ultrajante. Eu por exemplo, não sou contra, vim de uma aliás, acredito que como 95% da população, mas me incomoda saber que se não sou 'do lar' não sou valorizada ou não sou mulher suficiente.

    Não fugindo do foco mas voltando a crítica, gosto muito de ler matérias que fogem do meu ponto de vista porque isso me faz enxergar o outro lado da história, ter a visão do todo. Apesar de não concordar com o texto, parabenizo pela dissertação, pelo desenvolvimento do ponto de vista exposto e também fico aberta para debates a respeito do tema.

    Abraços,
    Amanda Sant'Anna.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Amanda.
      Fico feliz em ler comentários respeitosos como o seu, mesmo que discordantes. Estou sempre aberta ao diálogo.

      Abraço

      Excluir
    2. Renata,

      Eu acredito que assim como somos silenciadas todos os dias não devemos silenciar o próximo com opinião divergente que apresentam argumentos no mínimo coerentes, salvo pessoas que vão direto ao ataque pessoal que pra mim inválida qqr discurso.

      Se quiser trocar idéias e abrir debates me procure e podemos conversar abertamente sobre.

      Abs.

      Excluir
  16. Este texto talvez mereça uma problematização. Compartilho a postagem de Carolina Soldi:

    --

    Capitu (Dom Casmurro), é destemida, ousada, trabalhadora, sabe o que quer. Tem o queixo largo, nariz reto, olhos grandes e claros. Suas mãos tinham calos, não cheiravam a sabões finos, eram lavadas com sabão comum e água do poço. Não era submissa e suas ideias eram atrevidas demais para a época em que vivia. "Capitu era mais mulher do que eu era homem".

    Já Luísa (Primo Basílio), é frágil, recatada, se dedicava ao lar e ao marido. Tem cabelos louros e veias azuis bem visíveis no pé pequenino. “Mas Luiza, Luisinha, saiu muito boa dona de casa; tinha cuidados muito simpáticos nos seus arranjos, era asseada, alegre como um passarinho".

    Tanto Capitu quanto Luísa foram transgressoras nas obras de Machado de Assis e Eça de Queirós. A primeira era subversiva por si só e como consequência foi-lhe atribuída uma traição jamais confirmada. Luísa apesar da postura de boa moça, quebra suas promessas de fidelidade e companheirismo, deixando pra trás o que a sociedade da época esperava dela enquanto mulher e esposa.

    O Primo Basílio foi publicado em 1878 e Dom Casmurro em 1899 e hoje, em 2016 a sociedade patriarcal, cristã e autoritária continua exigindo mais Luísas e menos Capitus. Mas não se engane. No final da história, as duas serão vítimas fatais de um julgamento moral e cruel.

    --

    Penso que foram muitos os comentários que tentaram deixar claro o real sentido da campanha contra a reportagem. O problema, definitivamente, não é Marcela Temer. Ela pode ser o que ela quiser. Que não se negue, porém, que um veículo de comunicação de grande alcance, como Veja, busque influenciar a opinião pública a respeito do ideal de ser mulher - que, na verdade, é justamente o que você, Renata, também deseja fazer, afirmar um modelo: bela, recatada, do lar, silenciosa, passiva, sem protagonismo.

    Quando vejo o modelo de mulher que você descreve, o exemplo que me vem à cabeça é o das belas e recatadas donas de casa ilustradas no filme "Historias Cruzadas". Parece definir bem o que você defende.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Sydnei.
      Certamente você não conseguiu captar o modelo bíblico (que não é de minha autoria) que trago à reflexão em meus textos.

      Seu acréscimo de 'silenciosa, passiva e sem protagonismo' às qualidades 'bela, recatada e do lar' mostra simplesmente os estereótipos, os preconceitos e a falta de compreensão dos valores salientados. Os valores salientados ABSOLUTAMENTE não implicam aos por você acrescentados.

      Partindo do seu erro interpretativo sobre meu discurso, muito provavelmente também errou ao ilustá-lo (não conheço o filme em questão).

      Excluir
  17. Seu texto me representa muito! Me senti ofendida com certas postagens no facebook. Tenho 37 anos, sou pedagoga passei em um concurso e trabalhei em sala de aula por um ano e meio. Mas chegamos a conclusão eu e meu marido que não compensava sair para trabalhar já que graças a Deus ele ganha muito bem e supre todas necessidades familiares. Então tomei a decisão de voltar a ser "do lar" e foi a melhor coisa que fiz na vida. Posso dedicar totalmente a minha família, levar e buscar meu filho no colégio e em outras arividades e ser muito presente em sua vida. Hoje tenho em casa um rapaz " meu filho está com 17 anos" estudioso, amoroso, educado, responsável e sem vícios. Entendo que não são todas mulheres que podem ou querem fazer essa escolha, mas acredito que devemos respeitar o direito da mulher ser o que quiser "inclusive, bela, recatada, e do lar".

    ResponderExcluir
  18. Sábio texto! Algumas pessoas deveriam concordar ou não com que foi dito, ou não falassem nada. Críticas, recursos financeiros, pra quê saber disso? Se não está satisfeito com o modo de vida de alguma pessoa, vai lá e faz diferente. Não aponte erros enquanto você tem os seus. " Atire a primeira pedra aquele que não tem pecado"!

    ResponderExcluir
  19. Querida Renata!

    Por favor....

    NÃO PARE DE ESCREVER!

    Vc representa muitas mulheres felizes e realizadas que são discriminadas e diminuídas na nossa sociedade e muitas vezes até mesmo dentro da igreja!

    NÃO PARE DE ESCREVER!!!!

    Vc tem coragem, ousadia e sabedoria para expressar valores que estão em extinção nos nossos dias....

    NÃO PARE DE ESCREVER!!!

    Vivemos em um país com liberdade de expressão...embora as pessoas só respeitarem as opiniões que não confrontam seus estilos de vida!

    NÃO PARE DE ESCREVER!!!

    Que Deus te abençoe e te dê muita graça e sabedoria para responder a cada um!

    Um beijo e

    NÃO PARE DE ESCREVER!

    ResponderExcluir
  20. Infelizmente estamos passando por um problema enorme de interpretação e lógica por parte das pessoas. Quando feministas reclamam do artigo da Veja, é algo até esperado, mas quando mulheres cristãs fazem parte dessa revolta, aí é de estranhar...

    ResponderExcluir
  21. Parabéns! Excelente texto! Totalmente coeso e conciso, bíblico e muito edificante! Que Deus continue abençoando grandiosamente!!!!!!
    Por mais belas, recatas e do lar��������������

    ResponderExcluir
  22. Eu fiquei sem entender o movimento do face com tantas mulhers postando fotos e colocando a frase :bela, recatada e do lar, porém elas colocavam mais alguma coisa, tipo: arretada, da mata... Ao questionar na minha página, postaram a matéria e não vi nenhum desrespeito às mulheres em geral, apenas vi elogios à uma mulher... E creio, que precisamos saber aceitar a posição de cada pessoa, pois cada um é cada um, e não fica bem querermos nos espelhar em uma mulher que não somos e por este motivo começar a criticar.

    ResponderExcluir
  23. Na minha opinião, minha opinião, meu entendimento: Creio que a matéria em nenhum momento desrespeitou nenhuma mulher, quer ela seja do lar ou não, apenas mostrou um elogio a uma mulher, elogio este qie afetou muitas outras, porque?
    Acho que cada mulher tem seu jeito e sua qualidade, se você como mulher é diferente destas, então respeite quem as tem, pois em nenhum momento teve crítica alguma a mulheres que tem pensamento diferente a este, até porque todas estão inseridas dentro da sociedade.

    ResponderExcluir
  24. Parabéns Renata, compartilho com o tema, e da teologia bíblica; pois como crentes em Cristo Jesus, e como mulher, precisamos ter claro e entender o nosso papel como mulher no reino de Deus e o que estamos fazendo com ele. Isso com certeza, cada uma de nós dará contas de si a Deus.

    ResponderExcluir
  25. Entendi bem os seus argumentos, mas uma coisa.....Qual problema há se uma mulher quiser sair e trabalhar?Conquistar a igualdade no mercado de de trabalho? Meus pais são cristãos e sempre me ensinaram que eu devo sim batalhar e conseguir uma posição no mercado de trabalho, e eu creio que jamais me sentiria realizada sendo somente do "lar"
    Quanto a "Amélia" Temer da reportagem creio que o problema nem é como ela vive a vida(mesmo que a revista tenham exaltado demais isto), mas sim que ela é mulher do vice-presidente e no momento atual do país na política a situação está muito tensa, e quase tudo que tenha relação com isto é atacado. Se a reportagem fosse publicada em outra época teria ao menos 75% menos burburinho sobre ela.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bárbara!
      Não há mal algum em uma mulher ter uma profissão. O problema é quando há inversão de valores ou motivação errada. Tudo deve girar em torno da vontade de Deus. O desejo maior deve ser agradar a Deus em tudo, inclusive no amplo desenvolvimento e exercício de todo o potencial que ele nos deu. Outro problema é quando as prioridades são invertidas a fim de que possamos nos realizar. Deus vem sempre em primeiro lugar. Se tenho marido e filhos, estes vêm depois e não podem ser colocados em terceiro plano por causa de carreira ou qualquer outra coisa. É preciso discernir a vontade do Senhor de acordo com cada tempo na vida da mulher e fazer o máximo possível de acordo com isso.

      Creio que no último texto "Lugar de Mulher é onde Deus disser" esclareço essas questões que sempre são motivo de dúvidas. Dá uma olhadinha lá:
      http://mulheresemapurospage.blogspot.com.br/2016/04/lugar-de-mulher-e-onde-deus-disser.html

      Bjs

      Ah! E quanto a Temer, concordo com você de que muito do burburinho tem motivação política.

      Excluir
  26. Renata, amei seu texto. Uma defesa coerente daquilo que Deus deseja para suas criaturas, no caso, homens e mulheres. Autoritário mesmo é o discurso pseudo-defensor da mulher, que tem esvaziado nossas mulheres de sua feminilidade. Vejo uma sociedade enferma ao criar alternativas absurdas para curar suas chagas.Acreditam que a Bíblia expõe um modelo machista que oprimia o ser feminino, quando este modelo, longe de ser machista, na verdade valorizava as mulheres. Basta ler a descrição da mulher de Provérbios 31 para estarmos diante de uma exemplar figura de mulher forte, dedicada ao lar, puramente bela e recatada e que não era apagada pelos feitos do marido. Pelo contrário, este era enriquecido e suprido por ela. Fiz um texto sobre o assunto também e gostaria muito que você lesse. Não o julgo tão profundo quanto o seu, mas creio ter seguido os mesmos objetivos. Um abraço! Segue o link do texto: https://recantodamari29.wordpress.com/2016/04/27/virtuosa/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mariane!
      Li o seu texto e achei excelente!!

      Creio que muito do ataque e do desprezo aos valores bíblicos (inclusive daquelas que se dizem cristãs) se dá por falta de conhecimento. Os preconceitos e os estereótipos impedem muitas de abraçarem a verdade.

      Por essa razão escrevi o último texto, um resumo de muita coisa que tenho estudado, o mínimo que toda mulher cristã deve saber pra entender o seu lugar no mundo. Tem muito a ver com o que você escreveu sobre a mulher de Provérbios 31.

      Segue o link.
      http://mulheresemapurospage.blogspot.com.br/2016/04/lugar-de-mulher-e-onde-deus-disser.html
      Seria muito bom ouvir o que você achou.
      Abraço carinhoso,
      Renata Veras

      Excluir
  27. Amei o seu texto, meus parabéns!!

    ResponderExcluir
  28. Amei o seu texto, meus parabéns!!

    ResponderExcluir
  29. Aiinn q texto lindo. Era exatamente o que eu keria ler.. Nossa .. O Espírito Santo lhe inspirou linda.
    Parabéns palavras muito sabias

    ResponderExcluir
  30. Muito lindo o texto. Amei. Quero ser bela, recatada e do lar, e ainda com minha profissão, entendendo que com o meu trabalho eu estou auxiliando minha familia e meu esposo. É dificil as vezes compreender isso. O cansaço desta jornada dupla, em casa e fora dela as vezes nos faz perder o foco, mas peço diariamente a Deus que me faça compreender e agir de forma a honrar a Deus com minha vida e meus múltiplos papéis.

    ResponderExcluir

Popular Posts